A VERDADE NÃO DÓI O QUE DÓI É……

 

 

 

          Quando estamos no planeta terra, ou
seja, quando nascemos dentro do útero de quem nos gerou e depois de ser parido
duas vezes!!!  Duas vezes sim, a primeira
é o homem que pari, o esperma entra no útero e vem a primeira transformação nossa.
Depois vamos ser parido novamente, com uma nova-mente e respiramos pela
primeira vez o ar que nos rodeia e ao re-inspirar ou seja:  RE – de novo, IN – para dentro, PIRA – fogo e
AR, então eu traduzo que “RESPIRAR” – é novamente colocar o fogo pra dentro, e
sendo assim, RESPIRAÇÃO = A ação de colocar o fogo divino pra dentro, e assim a
vida na terra começa. Passamos por um vácuo de esquecimento. (eu acredito na
re-in-carn-ação.  Ao começar, as coisas
ficam confusas, lógico. Não entendemos nada nem por audição nem por visão, nem
por olfato nem tato e nem tao pouco pelo paladar. Os cinco dos sete sentidos estão
adormecidos e temos que acordar,(da a cor) a todos e re-descobrir os outros
dois.

          Do exercício do QUERER e do SER, o
que traz a palavra   Crescer.  Mas…… chega uma hora na nossa vida que não
nos é  permitido, pelo tipo da cultura
que somos introduzidos, não é permitido escolhermos o querer e o ser o que
quer. Nossos criadores nos passam o que eles viveram, suas experiências, seus
medos, etc.  Começam a nos dizer o que
devemos fazer e ser. E vai lentamente adormecendo a criança que esta dentro da
gente. Porque a criança, (“CRIA-SÔ) ela carrega através do sentimento toda a
nossa história espiritual e vem para nos ajudar a re-lembrar quem somos e o que
queremos. Eles , nossos criadores, ou nossos pais, trocam infantil com criança,
e nos pedem para deixarmos de ser crianças em vez de deixarmos de ser infantil.

         A vida continua e vamos nos “humanizando
“,  tornando filhos da terra, do húmus. E
aí cada um vai ter vários caminhos, e várias, e bote várias nisso,  experiências e elas nos conduzem de volta para
de onde viemos. O objetivo da ida é a volta, se não os mergulhadores ficariam
no fundo do mar. E sempre estamos indo pra volta aqui na terra. Chega uma hora
que nossa “cria-sã” que esta dentro de nós, pois são muitos nós que a
partilhamos. Existe o mundo de “nós”  e o
mundo de Deus; O de nós são feitos por nossa mente, e a mente mente. O mundo de
Deus é feitos pelos nossos “EUS” um mundo de EUS .  E cada vez que nos aproximamos do Deus verdadeiro,
da força Divinal. O Deus verdadeiros é o Deus que vemos pelo coração, que é a “ação
da Cor”.  O Deus não verdadeiro é o Deus  que é visto pelos olhos.

         Cada vez que estamos próximos as situações
que vai “a cor dar” nossa “cria-sã”  se
afrouxa os laços materiais, nos sentimos uma cria sã também e deixamos de ser
engenheiro para ser a engenharia, deixamos de ser mergulhador para ser o
mergulho, deixamos de ser poeta pra ser a poesia, e aí somos um só (sol) e essa
é uma experiência fantástica e que se pode exercitar para cada vez mais termos
o merecimento de re vive-las. Noronha é um portal da natureza,  e para quem se permite e a quem merecer é
dada uma oportunidade de sentir isso. Através de uma musica, de um momento, de
um local e de um re-encontro com outro no local , esses nós materiais vão se
afrouxando e nos permitindo “experenciar”  um contato com nossa cria-sã, e a verdade se
faz presente, e a verdade é Deus, e ao sentir Deus, ao experenciarmos uma contrição
absoluta, saber que esse momento Deus é , nosso “inspiritu”  nos enche e nossos sentidos nos mostram a
verdade, o tempo de ver, dade é = a tempo.

         Noronha é um feto dentro do útero que
é o mar.  Por isso é um lugar de
RE-INSPIRAR. 

         Quando eu fui instrutor de mergulho
pelas Aguas Claras, notava que algumas pessoas ficam na posição fetal quando
mergulham, pois elas vão “re-inspirar” pela segunda vez no meio liquido, o
primeiro foi no útero da mãe.  Sao experiências
de e da verdade e nossa criança chora por fora e por dentro, e nos dar aquele
friozinho no fundo do coração, e nos faz sentir um ser divino, sermos quem somos
e sabermos o que queremos.

          Chega um tempo, é hora de partir. O
objetivo da ida é a volta. Temos que deixar nosso corpo da terra na terra e
temos que  ex-pir-ar” ou seja; colocar o
ar do fogo Divino pra fora (EX) e “re-tornamos”.

          Isso se pode se sentir em qualquer
lugar, alguns lugares são mais fáceis outros mais difíceis, mas em todos são permitidos,
depende do merecimento de cada um.

         E sentimos e vemos pelos olhos do coração,
e pedimos arrego, e aprendemos que a Verdade não dói, o que dói é a mentira.
Por isso a palavra mentira ja traz um mistério, (“me tira”) dessa mentira da
mente.