Me lembro o ano de 1974 eu residia em Olinda, Bairro Novo, Praça Vitoriano Regueira, mais conhecida como “A Quadra”. Havia um campo de fut turma da quadra, só tinha craques, eu nem ousava ser bom, um porque não era e outro porque ser bom no meio de pessoas como: Wilson, Roberto, Doca, Márcio, João de Deus, Kaká Português, Chico Pitomba, Mirinda, e etc e etc, eram muitos e bons. Sem contar com a galera da CIT (Cia Inimiga do Trabalho) que era outra facção de craques também. Me lembro da bola dente de leite, que quando um comprava era a festa para tirar o cabaço* (como dizíamos ), desculpe. 
         Lembro do tempo da AABB, onde jogávamos Futebol de Salão e curtíamos as festas de 15 anos e paquerava as gatinhas filhas dos funcionários do Banco do Brasil. Quando tinha um festa nossa turma se oferecia para tocar e cantar. Tinhamos cantores bons e afinados, Roberto, Jairo, Marcelo Bafo. Eu sempre tocava violão, pois a galera nao permitia eu cantar porque desafinava muito. Mas …. tudo muda. Acabou que joguei futebol nos US, e depois achei minha vocação “e afinação”como cantor e compositor. Não ganhei muita grana com a musica, mas ganhei a vida como musico. Pois as amizades (Durval Lelis) que fiz resultou em uma que me deu um UP GRADE financeiro e fizemos uma sociedade onde rolou a TriboJu, nossa Pousada e Restaurante e Estudio em Fernando de Noronha.
          Lembro um dia que pedi a Deus para que eu nao passasse dos 50 anos, pois naquela época 50 anos era velho. É claro que depois conversei com Deus e ele tinha planos para mim, já com 57. Não adianta tomar uma decisão para um mês  muito distante, pois quando chegar essa data o mundo todo mudou menos nossa decisão. Tudo muda, a única coisa que nao muda é o fato que tudo muda.